Sou mulher, e gosto de ser mulher!

Share Image

Mari é mentora de liderança feminina gestora de diálogos tradutora coach e mãe de duas meninas. Fala ao Projecto Estelar da MAGIA DO...

Staging
Staging
Staging
Staging
O website PowerYou Alexandra e Carolina utiliza Cookies de modo a proporcionar-lhe a melhor experiência de navegação e aceder a todas as funcionalidades. Para aceitar a sua utilização carregue em 'OK' e continue a sua navegação. Saiba mais
Sou mulher, e gosto de ser mulher!
Mari é mentora de liderança feminina gestora de diálogos tradutora coach e mãe de duas meninas. Fala ao Projecto Estelar da MAGIA DO FEMININO num testemunho singular que vale a pena ouvir! O que tem de especial o Ser Feminino? Será que todas as mulheres conhecem os seus mistérios e poderes mais profundos? Mari fala do conflito entre o ser que verdadeiramente nos habita e o que é conveniente ser. De facto há um refinamento uma delicadeza no que é Ser Feminino. Mas dentro dessa riqueza há multiplicidade há força! Na opinião de Mari a primeira tarefa da mulher é honrar esse equipamento diferente caótico que funciona nela. E ver beleza nisso. E para isso a mulher precisa de uma vez por todas derrubar o mito da perfeição. De que precisa fazer qualquer coisa certa e bem feita. A mulher não precisa dar conta de nada ao mesmo tempo. Quando se ouve falar da mulher bruxa essa mulher refere-se à mulher da floresta que tinha intimidade com todas as formas de comunicação naturais. Essa mulher é capaz de perceber coisas que nós chamaríamos de místicas. Coisas que esta ciência como nós conhecemos que compartimenta para experimentar e provar não consegue alcançar. Uma mulher assim é livre é selvagem. Mas quando surge a emoção do domínio naturalmente esse tipo de ser selvagem indomável vai precisar de sofrer algum tipo de descredito. Então gera-se o medo onde antes havia o encanto. No momento em que nos desconectamos da nossa natureza e da possibilidade de gerar a nossa própria abundância; no momento em que nos tornamos dependente de um homem que nos dá o seu nome e que vai garantir o nosso sustento nesse momento cedemos ao que se chama patriarcado. E desse fenómeno deriva a perda de memória do que um dia foi a irmandade. Porque do que mulher patriarcal se incumbe diariamente é de se comparar com outras mulheres e de tentar ela mesma desmerecer as outras. Ou de ela mesma desmerecer a si mesma. Então Mari acredita que é tempo de fazer as pazes com todas as frequências que passam pela mulher e que a fazem brilhar. É tempo da mulher se conectar com o seu Ser Feminino e dar vida a essa magia que a habita! Veja AQUI o vídeo completo desta conversa com a Mari mentora de liderança feminina gestora de diálogos tradutora coach e mãe de duas meninas sobre a Magia do Feminino. Abraço com carinho Alexandra e Carolina
Mais sobre
    Comentários
    Outros artigos
      Não perca as novidades!
      Subscreva a nossa newsletter
      Também lhe pode interessar
      Sem eventos
      Os nossos programas

      Desenvolvemos 3 programas PowerYou focados em 3 áreas de atuação.

        Temos uma oferta para si
        Receba grátis este ebook.
        ebook
        Todos os direitos reservados.
        Alexandra e Carolina, Coaching + Guidance + Inspiration e PowerYou são marcas registadas.
        © PowerYou 2017-2019
        Todos os direitos reservados.
        Alexandra e Carolina, Coaching + Guidance + Inspiration e PowerYou são marcas registadas.
        © PowerYou 2017-2019
        Easypay
        Tem dúvidas?